27 de julho: Dia mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço

A Federação Internacional de Sociedades de Oncologia de Cabeça e Pescoço(IFHNOS)  instituiu, em 2014, o dia 27 de julho como o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço com o objetivo de chamar a atenção sobre cuidados e controle efetivos desse tipo de câncer – o sexto tipo mais comum.

O Dia Mundial faz parte da campanha Julho Verde, que existe desde 2015 mas oficialmente criado pela Lei 8086/2017 – que objetiva alertar a população sobre os cuidados necessários para evitar o surgimento ou evolução desses tipos de tumores.

O “Julho Verde” mais do que um dia, é um mês de atividades entre os que trabalham com saúde, para promover disseminação de conhecimento sobre o assunto, a fim de reduzir as mortalidades. Atualmente, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), 4,1% dos tipos de câncer diagnosticados são deste tipo.

Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago, tireoide, seios paranasais, fossas nasais, paratireoide, glândulas salivares.

Anualmente, cerca de 700 mil novos casos são diagnosticados no mundo. No Brasil, também há o crescimento da incidência e o câncer de boca chega a ser o 4º tipo de tumor mais frequente em algumas regiões do país, ocorrendo 3 vezes mais em homens do que em mulheres.

Um dos principais problemas para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, com impacto negativo na sobrevida do paciente. Outro alerta é em relação à faixa etária dos indivíduos diagnosticados com tumores de boca e garganta, que reduziu significativamente nas últimas décadas, com um grande aumento de casos entre mulheres e jovens. O tabaco é responsável por 97% dos diagnósticos de câncer de laringe. O álcool associado ao fumo aumenta o risco em 5 vezes para câncer nessa região. A infecção pelo HPV (papilomavírus humano) também contribui com o aumento na incidência da doença em jovens nos últimos anos em virtude da falta de uso de preservativos na prática do sexo oral, por exemplo.

Sinais de alerta

Apesar da agressividade desse tipo de tumor, há cura, porém o diagnóstico precisa ser realizado precocemente. Os sinais costumam aparecer ainda no início do quadro, portanto estar atento a eles pode levar a um tratamento mais tranquilo e eficaz.

As principais alterações clínicas vão depender da localização do tumor, mas são elas: caroço no pescoço, rouquidão por mais de 3 semanas, dor ou dificuldade para engolir e ferida na boca, lábio ou língua que não cicatriza.

Os pacientes com câncer na região da cabeça, boca e face podem evoluir para lesões com sangramento, manchas brancas na boca, dor no local, sangramentos pelo nariz, dores de cabeça frequentes, dormência nos músculos da face, entre outros sintomas. Já os tipos encontrados no pescoço podem causar rouquidão, nódulos na região, mudança na voz e dificuldade para engolir.

Fatores de risco

– Tabagismo: quem fuma cigarro ou utiliza outros produtos derivados do tabaco, como cigarro de palha, de Bali, de cravo ou kreteks, fumo de rolo, tabaco mascado, charutos, cachimbos e narguilé, entre outros, tem risco muito maior de desenvolver câncer de boca e de faringe do que não fumantes e quanto maior o número de cigarros fumados, maior o risco;
– Consumo de bebidas alcoólicas;

– Exposição ao sol sem proteção representa risco importante para o câncer de lábios;
– Excesso de gordura corporal aumenta o risco de câncer de boca;

– Exposição a óleo de corte, amianto, poeira de madeira, poeira de couro, poeira de cimento, de cereais, têxtil e couro, amianto, formaldeído, sílica, fuligem de carvão, solventes orgânicos e agrotóxicos está associada ao desenvolvimento de câncer de boca. Os trabalhadores da agricultura e criação de animais, indústria têxtil, de couro, metalúrgica, borracha, construção civil, oficina mecânica, fundição, mineração de carvão, assim como profissionais cabeleireiros, carpinteiros, encanadores, instaladores de carpete, moldadores e modeladores de vidro, oleiros, açougueiros, barbeiros, mineiros, canteiros, pintores e mecânicos de automóveis podem apresentar risco aumentado de desenvolvimento da doença;

– Infecção pelo vírus HPV está relacionada a alguns casos de câncer de orofaringe.

Prevenção
Se os grandes fatores de risco são identificados, a prevenção está ao alcance de todos. É preciso manter hábitos de vida saudáveis, evitar o tabagismo, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, ingerir alimentos saudáveis, praticar atividade física regularmente, tomar a vacina contra o HPV e usar preservativo também no sexo oral.

Orientações para prevenção do câncer de boca e garganta:

– Visitar regularmente seu dentista e seu médico;

– Evitar o tabagismo;

– Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;

– Evitar o consumo de drogas ilícitas;

– Manter uma alimentação equilibrada;

– Manter boa higiene bucal;

– Manter uma rotina de exercícios físicos;

– Realizar o autoexame de sua cavidade bucal;

– Seguir a recomendação das autoridades de saúde para a vacinação contra o HPV, nos meninos de 11 a 14 anos e nas meninas de 9 a 14 anos;

Fontes:

Grupo Brasileiro de Câncer de Cabeça e Pescoço (GBCP)
Instituto Nacional de Câncer (INCA)
International Federation of Head and Neck Oncologic Societies (IFHNOS)